Um chardonnay australiano que resistiu ao tempo

jacobs-creek-chardonnay-2004

Estive na casa do amigo Emerson para abatermos algumas garrafas e ele me apareceu com esse australiano conhecido, o Jacob’s Creek Chardonnay 2004, mas a pergunta era: será que esse vinho branco havia resistido a 6 anos na gôndola do supermercado?

Normalmente, em relação aos vinhos brancos mais comerciais, principalmente os vendidos em supermercados, é recomendado que se compre da safra mais jovem possível, no máximo 2 ou 3 anos de idade. Além de se desfrutar de um vinho cheio de frescor e aroma, não se corre o risco que beber um vinho oxidado por má conservação ou mesmo “cansado” do tempo.

Mas mesmo assim nesse caso, resolvemos arriscar. O Emerson disse que comprou no risco, com a garantia do vendedor de que se não estivesse bom, devolveria o dinheiro. Pois bem, resolvemos tirar a prova.

Na taça, a cor era bem dourada, sinais claros do tempo. No nariz o aroma já não era tão intenso, mas lembrava fruta cristalizada e um toque mineral. Na boca ainda bem untuoso, sedoso,  já não apresentava muita acidez, mas o final de boca longo, retrogosto mineral e um toque de mel.

Logicamente o vinho não estava estragado, mas também não estava em sua melhor forma.

Como experiência foi muito interessante perceber como um bom vinho branco pode sim resistir ao tempo. Assim que der, vou comprar esse chardonnay novamente de uma safra mais nova para comparar.

2 comentários sobre “Um chardonnay australiano que resistiu ao tempo”

  1. Olá Alexandre,
    A garrafa teve tampa rosca? Normalmente preserva melhor com menor oxidação.

    Pensei só como curiosidade, mencionar que fora de Chenin Blanc de Loire, um outro exemplo de vinho branco excelente para adega. Semillon de Hunter Valley provavelmente tem a maior longevidade de todos os vinhos brancos do mundo. Existe Hunter Semillon que pode ficar até 40-50 anos na adega! O normal para um Hunter Semillon, seria se desenvolvendo na adega 15-20 anos para chegar no pico.
    Um abraço
    Ulf

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *