Uma grande parte dos países produtores de vinho, acabaram adotando uma uva símbolo. Foi assim com a syrah na Austrália, a sangiovese na Itália, a tempranillo na Espanha, a malbec na Argentina, a pinotage na África do Sul entre tantos outros. Na teoria, a estratégia de marketing funciona, porque direcionando a comunicação para uma única uva, o entendimento e assimilação pelos consumidores fica mais fácil, mas na prática, ao longo do tempo essa estratégia acaba ofuscando verdadeiras jóias.

tannat-tasting-2014

Neste último Tannat Tasting Tour, que aconteceu aqui em Campinas, provei logicamente grandes vinhos de tannat, a uva símbolo do Uruguai, mas fiquei bastante impressionado com a qualidade dos vinhos da uva sauvignon blanc. Diferente de outros países onde a sauvignon blanc é marcada pelo excesso de notas herbáceas e florais, o sauvgnon blanc do Uruguai é mais frutado, cítrico e com uma acidez deliciosa. E para melhorar ainda mais, são baratos. Encontrei vários deles, muito bons, por menos de R$ 50,00.

Veja abaixo uma lista de alguns que provei e gostei bastante:

  • Finca Narbona Sauvignon Blanc 2013
  • Ysern Sauvignon Blanc 2013
  • Garzon Sauvignon Blanc 2014
  • Gimendez Mendez Sauvignon Blanc 2014
  • Pizzorno Sauvignon Blanc 2014

Mas o Uruguai reserva outras surpresas. Provei um opulento corte de merlot, tannat e zinfandel (isso mesmo, zinfandel!) da Bodega Artesana (ainda sem importador) e o Figueira Sauvignon Gris 2013, o único dessa uva no país. Provei também o delicioso Marichal Reserve Colection Pinot Noir Blanc de Noir Chardonnay da Bodega Marichal e o Criado en Roble Blend Tinto 2011 da Bodega Toscanini, outro incrível corte de tannat, merlot e syrah que no nariz lembra os vinhos espanhóis de longa guarda.

A simples e feliz conclusão que cheguei é a seguinte: o Uruguai produz ótimos vinhos e precisa ser mais lembrado na hora de renovar a adega.