Avanço de 23,42% nas importações. Foi com esses números animadores que as 15 empresas portuguesas que atuam no Brasil vinculadas à Comissão Vitivinícola Regional da Península de Setúbal (CVRPS) fecharam o ano de 2017.

Os destaques nas vendas ficaram, principalmente, por conta dos vinhos produzidos a partir das uvas castelão (também conhecidas como periquita), além dos brancos e moscatéis. Entre as marcas mais icônicas no Brasil estão Periquita (José Maria da Fonseca), Bacalhôa (Quinta da Bacalhôa), António Saramago, Horácio Simões e Venâncio Costa Lima, cujo vinho Moscatel Roxo de Setúbal 2013 conquistou o título de melhor moscatel, na 17ª edição do concurso francês “Muscats du Monde”, realizada em julho de 2017.

O Brasil é o segundo país para exportação dos vinhos de Setúbal, ficando atrás apenas de Angola. Para o presidente da CVRPS, Henrique Soares, este é um excelente resultado, considerando a crise econômica brasileira. “É uma consequência do desempenho firme da estratégia promocional desenvolvida para o Brasil nos últimos anos”, ressaltou. Junte-se a isso o reconhecimento da qualidade dos vinhos portugueses, que hoje ocupam a segunda posição no ranking da bebida importada no país,de acordo com dados divulgados pela Consultoria Ideal.

De acordo com o presidente da CVRPS, Henrique Soares em meados deste ano os vinhos da Península de Setúbal vão estar novamente no Rio de Janeiro e em São Paulo. “Serão duas grandes provas a anunciar brevemente. Além disso, várias empresas da região vão marcar presença nos eventos “Vinhos de Portugal” organizados pelo Globo e pelo Jornal português “Público”, na expectativa de continuar a fazer crescer essa “boa onda” dos vinhos portugueses no Brasil, para os quais a Península de Setúbal tem dado um forte contributo” – afirma.

Curiosidades

O nome Periquita teve origem na propriedade Cova da Periquita, localizada em Azeitão (região de Setúbal), de onde provinham afamadas uvas de grande qualidade. José Maria da Fonseca iniciou a vinícola por volta de 1830 e, desde então, a fama dos vinhos produzidos com as uvas dessa área foi difundida por toda a região de Setúbal. Hoje, castelão é o nome legal desta uva, apesar de ainda ser reconhecida como “Periquita” entre os locais.

Os melhores moscatéis do mundo

No ano passado, os moscatéis da Península de Setúbal mantiveram-se entre os melhores do mundo graças ao primeiro lugar conquistado pelo Moscatel Roxo de Setúbal Venâncio da Costa Lima 2013, na 17ª edição do concurso francês “Muscats du Monde”. A empresa Venâncio Costa Lima também arrebatou ouro com o Pioneiro Moscatel Roxo de Setúbal. Ainda receberam medalhas de prata o Malo Moscatel Roxo de Setúbal Superior 2009 – Malo Tojo Estates; o Bacalhôa Moscatel de Setúbal Superior 30 anos; o Venâncio da Costa Lima Moscatel de Setúbal 2013; o Casa Ermelinda Freitas Moscatel de Setúbal; o Adega de Pegões Moscatel de Setúbal; e o Sivipa Moscatel Roxo de Setúbal 2011.

As 15 empresas da CVRPS atuantes no Brasil

Adega Cooperativa de Palmela, CRL; António Saramago – Vinhos; Bacalhôa – Vinhos de Portugal; Casa ErmelindaFreitas; Coop. Agr. de Santo Isidro de Pegões; CW – Comporta Wines; Horácio dos Reis Simões; José Abreu Lopes Mota Capitão – Herdade de Portocarro; José Maria da Fonseca Vinhos; Malo-Tojo Estates; Pêgo da Moura; Quinta do Piloto – Vinhos; Brejinho da Costa; SIVIPA (Soc. Vinícola de Palmela); Sociedade Agrícola da Arcebispa.